Infomercial

(Foto: Divulgação/UniAraguaia)
Professora Tatiana Carilly: “Quem estiver aprendendo agora vai sair na frente e vai poder ajudar a formar muitos alunos tecnologicamente também, pois existe uma alfabetização digital” (Foto: Divulgação/UniAraguaia)

O objetivo é contribuir para a qualidade do ensino e garantir a eficiência do processo ensino-aprendizagem – que, com a pandemia, trouxe tanta exclusão e dificuldades para a Educação. Desde 2019, por meio do seu Núcleo de Inovação e Tecnologias Educacionais (NITE), o Centro Universitário UniAraguaia se dedica à essa missão, oferecendo gratuitamente, em Goiânia, Cursos de Formação para Ambiente Online para professores das redes públicas. A tarefa foi intensificada em 2020, quando o novo coronavírus tornou urgente a qualificação dos educadores, com a impossibilidade das aulas presenciais, levando à instalação do Regime Especial de Aulas não Presenciais (REANP). 

De lá para cá, os cursos da UniAraguaia são ofertados quase que de forma ininterrupta. E é motivo de orgulho para toda a Instituição, mas, principalmente, para a coordenadora do NITE, professora doutora Tatiana Carilly, que também coordena o Curso de Jornalismo EaD (Ensino à Distância) do Centro Universitário. Ela conta que, em 2020, o NITE atendeu cerca de 20 mil profissionais da Educação de todas as regiões do Brasil e também do Exterior - dentre professores da rede pública e privada, assistentes e auxiliares e profissionais do ensino básico e superior.

Dentre os temas abordados nos cursos oferecidos pela UniAraguaia estão: utilização de tecnologias em sala de aula, metodologias ativas, gamificação, realidade aumentada e virtual, métodos e recursos de avaliação online, e muito mais. “Levar esse universo tecnológico para os professores, hoje, é de suma importância, afinal, tudo indica que, quando retornarmos para o presencial, vamos ter o ensino híbrido; o ambiente virtual de aprendizagem vai ser muito natural”, considera Tatiana. Confira, a seguir, mais detalhes sobre os Cursos de Formação da UniAraguaia nesta entrevista com a coordenadora do NITE:

Quando e porque surge a ideia de criar um curso de formação gratuito para professores da rede pública? Trata-se de parceria com o poder público ou com Sindicatos ou é uma iniciativa própria?

São oficinas oferecidas desde quando a gente entrou no isolamento social. Foi uma ideia do professor Arnaldo Cardoso Freire, reitor da UniAraguaia, com o objetivo de oferecer formação para os professores da rede pública para que pudessem ter habilidades técnicas e conhecimentos importantes para ministrar as aulas em um ambiente virtual e mediado por tecnologias. A UniAraguaia já vinha desenvolvendo essas oficinas desde 2019 para público externo e interno, mas intensificou após o início da pandemia. É importantíssimo levar esse universo tecnológico para os professores, afinal tudo já indica que quando retornarmos ao modelo presencial, vamos ter o ensino híbrido e que o ambiente virtual de aprendizagem vai ser muito natural.

Qual é o objetivo do curso?

O objetivo é que os professores da rede pública estejam capacitados para usar ferramentas tecnológicas, tanto agora no momento de pandemia, quanto no futuro. Saber utilizar as tecnologias e saber aplicá-las de forma pedagógica e didática é o diferencial e é muito positivo para professores e para os alunos, que também acabam se formando no uso das tecnologias. As oficinas trazem temas variados. Temos uma programação.

Como os professores podem ter acesso?

Tudo é programado com antecedência. O link para a inscrição fica disponível no site da UniAraguaia e também nas redes sociais (@nucleodeinovacao) do NITE. Todas as oficinas geram certificados para os participantes e têm um formulário de frequência. É um momento de grande aprendizado. As oficinas são muito ‘mão na massa’. Não é simplesmente aprender uma ferramenta e não saber como aplicá-la. Tem exemplos do uso das metodologias, de forma ativa. É bem prático e tem muitas ideias para os professores desenvolverem projetos interessantes, que coloquem o aluno em contato com experiências que, no presencial, não seria possível, como, por exemplo, visitar um museu fora do Brasil. Também tem games que ajudam em várias disciplinas e estimulam o aprendizado.

Quais os benefícios dessa experiência, para os professores, que também poderão contribuir para o cenário pós-pandemia?

Os professores que aproveitam essa oportunidade das oficinas gratuitas têm acesso a bastante conhecimento da área tecnológica. A UniAraguaia, hoje, tem parceria com a Google For Education, onde estão as ferramentas mais importantes para o uso diário de um professor em uma sala de aula, tanto no ensino presencial como remoto. E também, futuramente, no ensino híbrido. Quem estiver aprendendo agora vai sair na frente e vai poder ajudar a formar muitos alunos tecnologicamente também, pois existe uma alfabetização digital. Há uma ruptura com a sala de aula tradicional e o professor que aprender esse caminho vai conseguir enxergar as oportunidades que surgem quando utilizamos ferramentas tecnológicas. O uso delas, por si só, não significa nada, por isso é importante usá-las de maneira que favoreça o processo de ensino-aprendizagem de forma consciente, aplicando didaticamente sem esquecer o lado pedagógico.

Gabriella Castro é estudante de Jornalismo da UniAraguaia, sob a orientação da professora Patrícia Drummond

Navegue pelo assunto: