Folha Press

PAULA SOPRANA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O número de milionários no Brasil cresceu 7% e chegou a 199 mil em 2019. A informação é do World Wealth Report de 2020, publicado nesta quinta-feira (10) pelo instituto de pesquisa Capgemini. Em números brutos, o Brasil é 18º país com o maior número de milionários, parte em razão do seu tamanho, já que fica na frente de países ricos como Suécia e da Áustria. Estados Unidos, Japão, Alemanha e China, os quatro primeiros colocados no ranking, concentram 61,6% da chamada população HWNI (sigla para indivíduo cm alto patrimônio líquido, uma pessoa com investimentos superiores a US$ 1 milhão). Os EUA têm quase 6 milhões de milionários. De 2018 a 2019, o total de milionários subiu 8,8%, com aumento em todas as regiões do mundo. São 19,6 milhões de pessoas contra 18 milhões em 2018. A riqueza cresceu 8,6% e representa US$ 74 trilhões. Na América Latina, a alta foi de 2,7%. O maior crescimento foi registrado na América do Norte (10,9%), seguida do Oriente Médio (9,3%). Foi a primeira vez desde 2012 que a região Ásia-Pacífico não liderou o crescimento da riqueza. A América do Norte registrou alta de 11%, enquanto a América Latina, 4,4%. "O aumento das tensões comerciais e a agitação geopolítica exigiram confiança nos negócios, nas decisões de investimento e no comércio global", afirmou o relatório. Analistas da Capgemini mencionam também uma "mudança notável nas acomodações de política monetária em várias regiões --e otimismo de desempenho do setor de tecnologia", o que teria acalmado tensões no mercado financeiro. O relatório do ano passado, portanto relativo a 2018, apresentou a primeira baixa de milionários após sete anos consecutivos de alta. A queda foi consequência da guerra comercial entre China e Estados Unidos, que derrubou o desempenho econômico do país asiático, e no Brexit, com as incertezas no mercado europeu. O impacto da Covid-19 será registrado no balanço do próximo ano. No primeiro trimestre de 2020, a pandemia de coronavírus contraiu US$ 18 trilhões de mercados globalmente. A estimativa do instituto é de redução de 6% a 8% na riqueza global até o fim de abril de 2020. POBREZA De acordo com o Banco Mundial, as estimativas mais recentes sobre pobreza, de 2015, mostram que 10% da população mundial ou 734 milhões de pessoas vivem com menos de US$ 1,90 dólar por dia. Em 1990, eram 36%, 1,9 bilhão de pessoas. Devido à Covid-19, a instituição estima que até 60 milhões de pessoas entrem em extrema pobreza (menos de US $ 1,90 ao dia) este ano. A taxa global de pobreza extrema pode aumentar de 0,3 a 0,7 pontos percentuais, para cerca de 9% em 2020. Dado recente da ONU aponta para 500 milhões de pessoas em situação de pobreza no mundo.
Escolha seu assunto favorito.
E-mail registrado com sucesso!
A partir de agora você receberá seus assuntos preferidos por e-mail.
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários