Folha Press

NATÁLIA CANCIAN
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao mesmo tempo em que o país ainda registra aumento na média de casos pela Covid-19, a curva de mortes pela doença têm apresentado tendência de estabilidade, informou nesta quarta-feira (8) o Ministério da Saúde. Dados apresentados pela pasta apontam aumento de 1% na média de novas mortes na última semana em comparação à anterior. O Brasil, porém, ainda registra uma média de mais de mil mortes por dia. Segundo o secretário de vigilância, Arnaldo Correia de Medeiros, a tendência de estabilidade é verificada desde o fim de maio, mas tem ficado mais nítida nas últimas três semanas. "Temos pequenas variações, mas a curva tende a se manter em um platô", diz ele, que reconhece que há um "padrão elevado" de mortes no país. Enquanto as mortes apresentam estabilização, a curva de novos casos segue em alta. Na última semana, a média diária de novos casos foi de 37.620 --a maior já registrada em relação às semanas anteriores. Já entre as duas últimas semanas, o aumento foi de 7%. Correia, porém, diz que parte do avanço pode estar ligado à ampliação da oferta de testagem no país. O cenário também muda por região. Atualmente, Sul e Centro-oeste são as regiões que despertam maior preocupação, segundo o ministério. Dados apresentados pela pasta mostram que ambas tiveram forte aumento na média de novos casos e mortes na última semana em comparação à anterior. "Fica o alerta para reforçar medidas de saúde e diagnóstico, manter ambientes ventilados, etiqueta da tosse e uso de máscara para evitar novas infecções", afirma o diretor de doenças transmissíveis, Eduardo Macário. Enquanto isso, o Sudeste dá sinais de estabilidade --na última semana, a região teve aumento de 1% na média de novos casos e queda de 1% no total de novos óbitos. Representantes do ministério, porém, dizem que é preciso verificar se essa tendência irá se manter nas próximas semanas. Já nas regiões Norte e Nordeste, o cenário varia. A primeira tem tido queda no número de novos casos e mortes. Já a segunda teve aumento de 15% em novos casos, com mortes com sinais de estabilidade. O avanço no interior é outro ponto de preocupação. "Vemos uma tendência de redução de mortes na região metropolitana, enquanto no interior vem crescendo paulatinamente", diz Correia. Atualmente, 94% dos municípios do país já registram casos da Covid. Metade das cidades brasileiras (51%) também já registram ao menos uma morte pela doença. Na semana passada, esse índice era de 45%. Profissionais de saúde O ministério também divulgou dados de casos da Covid-19 registrados em profissionais de saúde. Ao menos 173.440 profissionais de saúde já tiveram diagnóstico confirmado para a doença. O número, no entanto, pode ser maior, já que Paraná e Espírito Santo não estão integrados ao sistema usado pela pasta para acompanhar esses dados. Também pode haver subnotificação, já que o campo que indicava a ocupação foi incluído apenas no fim de março nas fichas usadas para registro. Ainda de acordo com o ministério, antes de terem o diagnóstico confirmado ou descartado, 786.417 profissionais de saúde foram notificados como casos suspeitos da Covid-19, o que indica que tiveram que ser afastados temporariamente. Destes, 22% tiveram o diagnóstico confirmado. A pasta ainda informou ter confirmado ao menos 138 mortes entre profissionais de saúde. Em junho, porém, o ministério chegou a informar 169 mortes. Questionada, a pasta informou que havia duplicações nos registros, o que fez com que os dados fossem revisados. O ministério não informou os dados atualizados de períodos anteriores para comparação.
Escolha seu assunto favorito.
E-mail registrado com sucesso!
A partir de agora você receberá seus assuntos preferidos por e-mail.
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários