A Capitania dos Portos do Rio de Janeiro instaurou inquérito administrativo para apurar o vazamento de óleo no mar do navio-plataforma FPWSO Dynamic Producer, da Petrobras, na Bacia de Santos, por volta das 8h30 da manhã, a 300 quilômetros (km) da costa do estado de São Paulo. O inquérito tem 90 dias para ser concluído.

A Marinha enviou para o local do acidente a Fragata Niterói, com um helicóptero a bordo, para verificar as ações de resposta tomadas pela estatal, observar a extensão da mancha e sua deriva, bem como realizar a filmagem e o registro fotográfico do vazamento. A embarcação deve chegar agora à noite na área do pré-sal na Bacia de Santos.

A Marinha instituiu um Grupo de Acompanhamento para monitorar e avaliar as ações da Petrobras visando às ações que estão sendo tomadas pela estatal para evitar os danos ao meio ambiente.

Em comunicado, a Petrobras informou que o poço foi fechado automaticamente após o rompimento e acionou seu Plano de Emergência com duas embarcações de grande porte, apropriadas para realizar as ações de resposta à poluição ambiental. A estimativa de vazamento é de 160 barris de petróleo. A estatal estima no comunicado que o óleo não atingirá o continente.